Mind Group Technologies Especialistas em Tecnologia

/*! elementor - v3.17.0 - 08-11-2023 */ .elementor-widget-text-editor.elementor-drop-cap-view-stacked .elementor-drop-cap{background-color:#69727d;color:#fff}.elementor-widget-text-editor.elementor-drop-cap-view-framed .elementor-drop-cap{color:#69727d;border:3px solid;background-color:transparent}.elementor-widget-text-editor:not(.elementor-drop-cap-view-default) .elementor-drop-cap{margin-top:8px}.elementor-widget-text-editor:not(.elementor-drop-cap-view-default) .elementor-drop-cap-letter{width:1em;height:1em}.elementor-widget-text-editor .elementor-drop-cap{float:left;text-align:center;line-height:1;font-size:50px}.elementor-widget-text-editor .elementor-drop-cap-letter{display:inline-block}

contato@mindconsulting.com.br

/*! elementor - v3.17.0 - 08-11-2023 */ .elementor-widget-social-icons.elementor-grid-0 .elementor-widget-container,.elementor-widget-social-icons.elementor-grid-mobile-0 .elementor-widget-container,.elementor-widget-social-icons.elementor-grid-tablet-0 .elementor-widget-container{line-height:1;font-size:0}.elementor-widget-social-icons:not(.elementor-grid-0):not(.elementor-grid-tablet-0):not(.elementor-grid-mobile-0) .elementor-grid{display:inline-grid}.elementor-widget-social-icons .elementor-grid{grid-column-gap:var(--grid-column-gap,5px);grid-row-gap:var(--grid-row-gap,5px);grid-template-columns:var(--grid-template-columns);justify-content:var(--justify-content,center);justify-items:var(--justify-content,center)}.elementor-icon.elementor-social-icon{font-size:var(--icon-size,25px);line-height:var(--icon-size,25px);width:calc(var(--icon-size, 25px) + (2 * var(--icon-padding, .5em)));height:calc(var(--icon-size, 25px) + (2 * var(--icon-padding, .5em)))}.elementor-social-icon{--e-social-icon-icon-color:#fff;display:inline-flex;background-color:#69727d;align-items:center;justify-content:center;text-align:center;cursor:pointer}.elementor-social-icon i{color:var(--e-social-icon-icon-color)}.elementor-social-icon svg{fill:var(--e-social-icon-icon-color)}.elementor-social-icon:last-child{margin:0}.elementor-social-icon:hover{opacity:.9;color:#fff}.elementor-social-icon-android{background-color:#a4c639}.elementor-social-icon-apple{background-color:#999}.elementor-social-icon-behance{background-color:#1769ff}.elementor-social-icon-bitbucket{background-color:#205081}.elementor-social-icon-codepen{background-color:#000}.elementor-social-icon-delicious{background-color:#39f}.elementor-social-icon-deviantart{background-color:#05cc47}.elementor-social-icon-digg{background-color:#005be2}.elementor-social-icon-dribbble{background-color:#ea4c89}.elementor-social-icon-elementor{background-color:#d30c5c}.elementor-social-icon-envelope{background-color:#ea4335}.elementor-social-icon-facebook,.elementor-social-icon-facebook-f{background-color:#3b5998}.elementor-social-icon-flickr{background-color:#0063dc}.elementor-social-icon-foursquare{background-color:#2d5be3}.elementor-social-icon-free-code-camp,.elementor-social-icon-freecodecamp{background-color:#006400}.elementor-social-icon-github{background-color:#333}.elementor-social-icon-gitlab{background-color:#e24329}.elementor-social-icon-globe{background-color:#69727d}.elementor-social-icon-google-plus,.elementor-social-icon-google-plus-g{background-color:#dd4b39}.elementor-social-icon-houzz{background-color:#7ac142}.elementor-social-icon-instagram{background-color:#262626}.elementor-social-icon-jsfiddle{background-color:#487aa2}.elementor-social-icon-link{background-color:#818a91}.elementor-social-icon-linkedin,.elementor-social-icon-linkedin-in{background-color:#0077b5}.elementor-social-icon-medium{background-color:#00ab6b}.elementor-social-icon-meetup{background-color:#ec1c40}.elementor-social-icon-mixcloud{background-color:#273a4b}.elementor-social-icon-odnoklassniki{background-color:#f4731c}.elementor-social-icon-pinterest{background-color:#bd081c}.elementor-social-icon-product-hunt{background-color:#da552f}.elementor-social-icon-reddit{background-color:#ff4500}.elementor-social-icon-rss{background-color:#f26522}.elementor-social-icon-shopping-cart{background-color:#4caf50}.elementor-social-icon-skype{background-color:#00aff0}.elementor-social-icon-slideshare{background-color:#0077b5}.elementor-social-icon-snapchat{background-color:#fffc00}.elementor-social-icon-soundcloud{background-color:#f80}.elementor-social-icon-spotify{background-color:#2ebd59}.elementor-social-icon-stack-overflow{background-color:#fe7a15}.elementor-social-icon-steam{background-color:#00adee}.elementor-social-icon-stumbleupon{background-color:#eb4924}.elementor-social-icon-telegram{background-color:#2ca5e0}.elementor-social-icon-thumb-tack{background-color:#1aa1d8}.elementor-social-icon-tripadvisor{background-color:#589442}.elementor-social-icon-tumblr{background-color:#35465c}.elementor-social-icon-twitch{background-color:#6441a5}.elementor-social-icon-twitter{background-color:#1da1f2}.elementor-social-icon-viber{background-color:#665cac}.elementor-social-icon-vimeo{background-color:#1ab7ea}.elementor-social-icon-vk{background-color:#45668e}.elementor-social-icon-weibo{background-color:#dd2430}.elementor-social-icon-weixin{background-color:#31a918}.elementor-social-icon-whatsapp{background-color:#25d366}.elementor-social-icon-wordpress{background-color:#21759b}.elementor-social-icon-xing{background-color:#026466}.elementor-social-icon-yelp{background-color:#af0606}.elementor-social-icon-youtube{background-color:#cd201f}.elementor-social-icon-500px{background-color:#0099e5}.elementor-shape-rounded .elementor-icon.elementor-social-icon{border-radius:10%}.elementor-shape-circle .elementor-icon.elementor-social-icon{border-radius:50%}
/*! elementor - v3.17.0 - 08-11-2023 */ .elementor-widget-image{text-align:center}.elementor-widget-image a{display:inline-block}.elementor-widget-image a img[src$=".svg"]{width:48px}.elementor-widget-image img{vertical-align:middle;display:inline-block}

SQL ou Structured Query Language é a linguagem de programação padronizada que é usada para comunicação com bancos de dados relacionais.

Inicialmente criado na década de 1970, o SQL é amplamente utilizado não apenas por administradores de banco de dados, mas também por desenvolvedores que escrevem scripts de integração de dados e analistas de dados que procuram configurar e executar consultas analíticas.

SQL se tornou um padrão do American National Standards Institute (ANSI) em 1986 e pode ser utilizado para diversos propósitos, dentre eles:

  • Modificar tabelas de banco de dados e estruturas de índice;
  • Manipular, adicionar, atualizar e excluir linhas de dados;
  • Recuperar subconjuntos de informações de dentro de sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional (RDBMSs) – essas informações podem ser usadas para processamento de transações, aplicativos analíticos, entre outros aplicativos que exigem comunicação direta com um banco de dados relacional.

o que são Bancos de Dados Relacionais?

Um banco de dados relacional é uma categoria de banco de dados que armazena e fornece acesso a diferentes pontos de dados conectados e relacionados entre si.

Bancos de dados relacionais são baseados no “modelo relacional”, uma maneira intuitiva, dinâmica e direta de representar dados em tabelas. Em um banco de dados relacional, cada linha na tabela é um registro com uma “ID” exclusiva, chamada de chave.

As colunas da tabela contêm atributos dos dados e cada registro geralmente possui um valor para cada atributo, simplificando o estabelecimento das relações entre os diferentes pontos de dados.

Apesar de o SQL não possuir uma linguagem de sintaxe complexa, sendo acessível a programadores de diferentes níveis de experiência, profissionais ou não, é necessário um conhecimento básico para a sua utilização.

As operações realizadas através de SQL assumem a forma de diferentes comandos escritos, representando as instruções a serem realizadas, e são alocadas em programas que permitem aos usuários adicionarem, modificarem ou recuperarem dados de tabelas de banco de dados.

Conhecer a linguagem SQL transformará a sua experiência com bancos de dados. (Imagem: Freepik)
Conhecer a linguagem SQL transformará a sua experiência com bancos de dados. (Imagem: Freepik)

Para executar tarefas simples, como adicionar, excluir e modificar informações em um banco de dados, separamos 7 tópicos fundamentais que vão te ajudar!

1. DML (Data Manipulation Language)

DML, ou Data Manipulation Language, é um subconjunto da linguagem SQL que diz respeito aos comandos utilizados para manipular diretamente os dados de uma tabela ou banco de dados.

Ao utilizar o DML, é possível inserir, atualizar, modificar e deletar dados de maneira rápida e eficiente, sem a necessidade de uma tecnologia intermediária.

2. Insert: Adicionando dados a uma tabela

Insert é o comando que adiciona registros a uma tabela, ou seja, inclui dados em um banco de dados.

Para utilizá-lo, basta escrever a seguinte sintaxe:

INSERT into [tabela exemplo] (campo1, campo2, campo3) values (dado1, dado2, dado3);

No exemplo acima, apontamos os campos 1, 2 e 3 na tabela exemplo e, em seguida, descrevemos seus valores (dados 1, 2 e 3).

3. Update: Atualizando os dados já inseridos

O comando update é utilizado para atualizar dados que já estão inseridos na tabela, mas que, por alguma razão, necessitam ser corrigidos ou complementados com novas informações.

Para utilizar este comando, basta escrever o seguinte texto:

UPDATE tabela exemplo SET campo1 = 'dado1' WHERE id = dado2;

No exemplo acima, apontamos que a modificação deve ser feita na tabela exemplo, em seu campo1. Os dados modificados são os dados1 e dado2.

4. Delete: Excluindo dados de uma tabela

Ao utilizar o comando delete, podemos excluir registros que estão em uma tabela, apagando essa informação de toda base de dados em que está inserida.

Esse comando, todavia, apaga apenas os registros. Estrutura, índices e outros atributos gerais do projeto continuam sem alterações.

Para utilizar o delete, basta escrever a sintaxe abaixo:

DELETE FROM tabela exemplo;

No exemplo acima, indicamos que a exclusão deve ser feita na tabela exemplo.

5. Select: Consultando dados na tabela

O comando select possibilita que realizemos consultas em uma tabela, isto é: pode ser utilizado de diferentes formas para que inúmeros tipos de consultas possam ser realizadas.

Por exemplo: podemos recuperar todos os dados de uma tabela, dados de somente uma coluna, um único dado em particular, entre outras opções.

Para utilizar este comando, existem algumas opções de códigos:

SELECT * FROM tabela exemplo;

No exemplo acima, o * indica que queremos consultar todos os dados da tabela exemplo.

SELECT dado1, dado2 FROM tabela exemplo;

Neste exemplo, indicamos que queremos consultar somente os dados 1 e 2 da tabela exemplo.

6. DDL: Criar, alterar e deletar tabelas de registro

Os comandos do subconjunto DDL, ou Data Definition Language, são aqueles comando usados para manipular a estrutura geral de um banco de dados, e não somente os dados que estão ali inseridos.

Com os comandos do subconjunto DDL, podemos: criar novas tabelas, alterar tabelas já existentes e também apagá-las.

Veja, abaixo, os três principais comandos.

DDL-Create: Criação de novas tabelas

Com o comando create, é possível criar uma nova tabela dentro de um banco de dados.

Para utilizar o comando create, é preciso, em primeiro lugar, criar um objeto dentro do banco de dados, ou um banco de dados completamente vazio:

CREATE DATABASE banco exemplo;

No exemplo acima, criamos o banco de dados banco exemplo. Para criar, dentro deste banco, uma tabela, é preciso o comando create table:

CREATE TABLE tabela exemplo (id INT PRIMARY KEY, campo1 VARCHAR(50), campo2 (VARCHAR(100));

No exemplo acima, criamos a tabela exemplo, onde o comando INT PRIMARY KEY indica que o campo id é a chave primária da tabela, isto é: a identificação principal do registro.

Em seguida, estipulamos as colunas com os campos 1 e 2 e, com o comando VARCHAR, definimos a quantidade máxima de caracteres que estes campos comportarão (50 a 100, respectivamente).

DDL-Alter: Alterando uma tabela existente

O comando alter é usado para modificar uma tabela pré-existente e pode ser utilizado da seguinte maneira:

ALTER TABLE tabela exemplo ADD nome INT;

No exemplo acima, estamos alterando a tabela exemplo ao adicionar uma nova coluna: a coluna nome.

DDL-Drop: Deletando uma tabela do banco de dados

Por fim, drop é o comando utilizamos para excluir objetos, ou tabelas, de nossa base de dados.

Esse comando também pode ser utilizados para deletar um banco de dados inteiro, como listamos nos exemplos abaixo.

Com o comando abaixo, é possível excluir a tabela exemplo de um banco de dados:

DROP TABLE tabela exemplo;

Com o comando abaixo, é possível excluir o banco de dados banco exemplo inteiro:

DROP DATABASE banco exemplo;

7. DCL: Defina permissões aos objetos do banco de dados

O subconjunto dos comandos DCL, ou Data Control Language, é responsável por controlar o acesso e os níveis de privilégios e direitos de diferentes usuários às informações de um banco de dados.

Com esse comando, é possível atribuir mais segurança aos seus dados.

Veja, abaixo, os três principais comandos deste grupo:

Grant: Conceder acesso a objetos do seu banco de dados

Com o comando grant, é possível permitir diferentes tipos de privilégios nos acessos a uma tabela.

De forma resumida, podemos dizer que determinadas ações só podem ser tomadas por usuários específicos.

Acompanhe o exemplo que utilizamos abaixo:

GRANT SELECT, INSERT, UPDATE ON tabela exemplo TO Usuario1;

Na linha acima, estipulamos que os comandos select, insert e update só podem ser utilizados na tabela exemplo pelo Usuario1.

Revoke: Remover o acesso a objetos do seu banco de dados

Ao utilizarmos o comando revoke, podemos realizar o oposto ao comando anterior: ele revoga os privilégios concedidos a determinados usuários.

Para utilizá-lo, basta seguir a seguinte sintaxe:

REVOKE SELECT ON tabela exemplo FROM  Usuario1;

Na linha acima, revogamos o privilégios do Usuario1 de utilizar o comando select na tabela exemplo.

Deny: Bloquear o acesso para objetos e usuários específicos

O comando deny é mais amplo: você pode negar explicitamente o acesso ou permissões a um banco de dados, uma tabela ou um usuário em particular.

Veja, abaixo, um exemplo de sua utilização:

O comando deny é mais amplo: você pode negar explicitamente o acesso ou permissões a um banco de dados, uma tabela ou um usuário em particular.

Veja, abaixo, um exemplo de sua utilização:

DENY SELECT ON tabela exemplo TO Usuario2;

Acima, estamos estipulando que o Usuario2 teve o seu acesso ao comando select, na tabela exemplo, totalmente negado.

Embora existam profissionais de tecnologia altamente especializados somente em manipulação de dados utilizando a linguagem SQL, alguns conhecimentos básicos sobre essa linguagem muito utilizada são fundamentais e indispensáveis para qualquer programador.

Isso se deve ao fato de os bancos de dados relacionais estarem presentes na grande maioria das das aplicações na web. Sendo assim, em uma necessidade, conhecimentos básicos podem ajudar muito em ações utilizando SQL.

Esperamos que esse conteúdo tenha te ajudado de alguma maneira!

Se você gostou dessas informações e tem interesse na área de tecnologia, aplicações e web, não deixe de nos acompanhar nas redes sociais.